Aline 1.jpg

Aline Diniz

Sou jornalista e sócia de uma agência de comunicação. Trabalhei por sete anos como colunista e repórter de Economia, depois fui assessora em órgão público por mais três. Passados alguns anos, volto com vontade de escrever sobre o que eu gosto: os bastidores da economia do Espírito Santo.

Clube para fazer o bem quer atingir 10 mil assinantes com 100 empresas parceiras

Clube para fazer o bem quer atingir 10 mil assinantes com 100 empresas parceiras

Foto: Mateus Machado / Divulgação

Foto: Mateus Machado / Divulgação

Fazer uma doação mensal e ter benefícios em lojas parceiras ao projeto. Essa é a filosofia que embalou o hopeClub, um clube com vantagens para os assinantes que doam dinheiro para organizações cadastradas. A meta é atingir 10 mil assinantes capixabas até o fim do ano e lançar a plataforma em outras praças, como São Paulo.

A iniciativa é do empreendedor e administrador Mateus Machado, de 26 anos, que largou sua carreira na Petrobras há três anos para se dedicar ao empreendedorismo e projetos de causas sociais.

O clube foi lançado no último dia 31 de maio e tem em sua carteira atualmente cerca de 10 projetos sociais – que envolvem crianças, idosos e animais – e mais de 12 lojas parceiras que concedem descontos de 10% a 50% aos associados.

"Sempre quis ajudar as instituições de forma diferente, criamos a hopefundr, fizemos várias ações, arrecadamos dinheiro para ajudar quem precisava, mas precisávamos criar algo sustentável. Veio a ideia do clube, como um ciclo do bem que gera valor para as pessoas, empresas e causas sociais”, contou. A ideia é considerada inovadora no Brasil e está em fase de apresentação.

No clube, o usuário paga uma mensalidade – que pode ser de R$ 29,90 ou R$ 59,90 -, escolhe uma causa social para contribuir e recebe benefícios de empresas “socialmente responsáveis”, além dos relatórios de como as doações foram aplicadas.

Metade do valor é destinado à causa escolhida, e o restante fica para a manutenção e melhoria do clube.

Exemplo em casa

Mateus conta que seu pai sempre foi engajado em projetos sociais, e o encorajou a fazer o mesmo, portanto, acredita que o exemplo dentro de casa o fez a criar as plataformas com uma pegada social.

DNA de empreendedor

Com um pai administrador e uma mãe médica, o DNA de empreendedor veio por conta própria. Abriu seu primeiro negócio aos 16 anos, um estúdio de filmagem. “Eu sabia filmar, mas não sabia nada de gestão. Aprendi muito com os erros”, conta.

Ano passado, ele fundou a hopefundr, plataforma sem fins lucrativos de mobilização de recursos para projetos de impacto social e ambiental, que nos dois primeiros meses de atuação captou e doou mais de R$ 100 mil entre recursos financeiros e dezenas de toneladas de alimentos.

Mateus é fundador também da AX Broker, plataforma digital com atuação global em intermediação de negócios, e AX Flats, especializada em intermediação de investimentos por meio de flats e quartos de hotéis.

Acompanhe as matérias do IM clicando aqui.  

12.06.2019 - EMPRESA & NEGÓCIOS

IM no Cade: da briga de sócios até o posicionamento contrário das operadoras e hospitais à venda do São Bernardo Saúde

IM no Cade: da briga de sócios até o posicionamento contrário das operadoras e hospitais à venda do São Bernardo Saúde

Desestatização da Codesa: estudos e consultoria totalizam R$ 1,99 milhão e há possibilidade de exploração imobiliária

Desestatização da Codesa: estudos e consultoria totalizam R$ 1,99 milhão e há possibilidade de exploração imobiliária